18 de abril de 2013

Dedicatória


<
Com Maria do Espirito Santo Pacheco Gonçalves (conhecido por Espírito Santo Ribeirinha)
e seu marido, Manuel  da Silva Araújo
Não podia de fazer este blog e não deixar de homenagear a senhora que fez na mulher que sou hoje e dedicar este Porto de Memórias a memória da Maria do Espírito Santo Gonçalves, casada com Manuel da Silva Araújo, em que este faleceu este Novembro passado.
Este grande casal são os meus queridos avós. 
Fui criada por esta grande senhora, podia ser uma pessoa com pouca instrução escolar, mas com um enorme coração. Era tudo para os netos, como se mais ninguém na vida tivesse. Vivia para dar o que podia, trabalhava imenso e mesmo quando ficou só com uma perna nunca parou…
Sempre foi uma mulher de armas, e nada lhe podia faltar enquanto trabalhava. Tudo o que fazia era bem feito! Tinha o seu feitio, como qualquer pessoa, mas a isso, nada lhe era combatido pois, quem mal aos seus netos fizesse, a ela a espicaçava.
Perdi-a…
Com imensa dor que não recupero, sinto imenso a falta da sua presença sentada na cadeira da cozinha, a dar-me concelhos, a guiar-me para a vida, e ensinar-me o que sei hoje, mas é a ela, neste Mundo tudo devo!

3 comentários:

Helder Araújo disse...

Nossa vida é entrelaçada pelas vidas das pessoas que por
ela passam. Alguns passam rapidamente, outros se demoram
mais, outros ainda ficam para sempre.

Mas seja como for essa passagem física, a marca de sua passagem
em nosso coração, em nossa alma, é eterna.

Não se trata de dor, tristeza, ou mágoa somente. Algumas deixam
doces, boas lembranças. Deixam saudades, algo assim como um espanto:
"puxa, mas passou tão rápido". Mas puxa, pode ficar pra sempre não é não?

Por que? Não sei, penso que é o momento de cada um, o entendimento de uma
situação, o revelar de algo que se tornou importante. Pessoas que nos marcam
dessa maneira são raras, portanto, nunca esquecidas.

The Song Of The Bird disse...

Sentida homenagem por si expressa,referente a uma pessoa que foi extremamente importante na sua vida. Embora não esteja já presente fisicamente, continuará a ser uma grande referência na sua vida.

Se sentimos a dor na ausencia de alguém, é porque fomos felizes com esse alguém enquanto esteve presente no meio de nós.

Saudações

STela disse...

tão bonito tania... Mas sinto muita falta também do avô...daquelas bochechas rosadas...meu querido avô.